SOFIA PORTO NAVES E JANE DE ALMEIDA

Apresentado no catálago da exposição - "Mistério no bairro. O Famoso caso do maníaco da caixa de fósforos" Galeria Nara Roesler - 1997

O Enigma do Chamado Faíscas

A estratégia que desencadeia os barulhos é tão silenciosa e perturbadora como uma caixa de fósforos. Mas, quando eles estalam os ouvidos em aparições acústicas intervalares, tornam-se fantasmagóricos, marcando uma opacidade noturna na rede de comunicação habitual.

Uma inquietante estranheza se impõe, instalando o mistério ensurdecedor ao invadir um cotidiano que não nos parece de todo incomum. Casais, irmãos, amigas e solitários figuram duplos de outros múltiplos personagens da história da literatura, do cinema e do dia-a-dia de uma constelação urbana marcada pelo excesso de paradoxos e ambigüidades.

Encontramos na mecânica deste conto detestivesco um chamado de faíscas. Referencialidades, estrangerismos, excentrecidades e trivialidades, tão familiares à bricolagem de nosso final de século surgem, estranhos e surpreendentes em sua significação, não colocando em dúvida o caráter contemporâneo de todo o evento.

Resta-nos ainda o enigma da ressonância de sentido desta captura. Diante da amplificação, a experiência terá como destino a repetição ou a chama do desejo de decifração que poderá levar a um sinal na memória, um rastro de escuta.

Sofia Porto Naves
Jane de Almeida